Voltar ao topo.Ver em Libras.
156

56
Não lembro a senha

foto hermes vigne
Blog do historiador, escritor e professor gaúcho Hermes Vigne, autor de livros como "Trindade do Sul da Serra do Lobo", "Na Vida Tudo é Poesia" e "Belas Histórias Que Papai Contava".

Publicidade



Pesquisar



Hermes Vigne

    Nascido em 9 de janeiro de 1940 em Liberato Salzano - RS, o historiador, escritor e professor Hermes Vigne é autor de vários livros, entre eles "Na Vida Tudo é Poesia", "Belas Histórias Que Papai Contava" e "Trindade do Sul da Serra do Lobo", este último dedicado a contar a história de Trindade do Sul - RS, que o historiador acompanhou desde sua fundação.

    Hermes Vigne reside e trabalha, atualmente, como professor no município de Trindade do Sul.


Que Barbaridade

« Mais recente🔀🛈Categoria:Política
ImprimirReportar erroTags:setembro, viagem, grupos, época, peças, eleições, diria e grande246 palavras3 min. para ler
A política é como o mel de mirim: "doce no começo e amargo no fim”. Quem diria? – Quem diria que a campanha eleitoral municipal, em Trindade do Sul, do ano em curso, começaria tão suave, serena, pacífica e calma? PAZ E AMOR! Nem parecia época de eleições. Eu que havia prometido viajar no mês de setembro para fugir das costumeiras faltas de conduta moral e cívica nessa época, cancelei a viagem acreditando viver, em minha amada cidade, um setembro eleitoral ético, com moldes de cultura educada e civilizada. E por pouco não aconteceu. AAAHHH mas se tivesse viajado em fins de setembro e voltado em dois de outubro à noite, com certeza teria feito uma boa viagem. E talvez, nem tivesse perdido o "Grande espetáculo das vitórias! ”
Infelizmente, no final do ‘drama’ a peça oferecida por grupos de atores incapacitados a propiciar peças românticas, o festival voltou aos moldes de outras eleições: baixarias, imoralidades e deseducação acabou prevalecendo, dando verdadeiro show de bandalheiras éticas, morais, sociais e religiosas. Cidadãos alvejados por tiros, entrando em repartições públicas armados, portando armas nas imediações de urnas receptoras de votos, impedindo passagens de veículos, marcando território, ameaçando de morte. Tudo à vista de crianças, jovens, senhoras e senhores do bem, que era a grande maioria, amedrontados por pequenos grupos de desordeiros. Infelizmente, mais uma vez, enquanto a educação não se impor nas sociedades, começando nas famílias, essas peças continuarão se repetindo por muitos outros setembros e outubros eleitorais. Que pena!